G20 e FMI? Fora daqui! Sobre a semana de mobilizações em Buenos Aires

Paralelamente ao G20, organizações e movimentos se opõem ao avanço do conservadorismo e das políticas neoliberais na América Latina e no mundo. Milhares foram às ruas de Buenos Aires protestar e exigir o respeito à democracia e aos direitos coletivos dos povos.

 

Acabaram neste sábado (1/12) as reuniões do G20 na Argentina, encontro no qual os países ricos discutem as maneiras com que seguirão se apropriando das riquezas e dos bens comuns do mundo e aprofundando a desigualdade social. As atividades de mobilização contra o avanço neoliberal, contudo, seguem até a quarta-feira (5/12) – e, em essência, não param nunca.

Paralelamente às reuniões de cúpulas de presidentes e de dirigentes de grandes empresas transnacionais, as ruas de Buenos Aires pulsaram: milhares protestaram em favor da vida, da biodiversidade, da soberania alimentar, dos direitos coletivos dos povos sobre seus territórios – ou seja: contra as políticas neoliberais entreguistas, que tem hoje na Argentina e no Brasil, infelizmente, grandes expoentes.

No vídeo acima, entenda um pouco melhor sobre o que é o G20. No link a seguir, veja mais informações sobre a semana de mobilização e resistência que agitou Buenos Aires (em espanhol): https://noalg20.org/

Confira íntegra do chamado à mobilização contra o G20 e o FMI:

Pela soberania política, ambiental, cultural e econômica de nossos povos e de nossos corpos

Como organizações e movimentos brasileiros de pessoas trabalhadoras da cidade e do campo, originárias, afrodescendentes, feministas, aposentadas, migrantes, estudantes, defensoras dos direitos dos indivíduos e dos povos, do meio ambiente, dos bens públicos, da justiça climática, dos direitos das crianças, de gênero, entre outros; lutamos desde diversas formas de organização e luta contra o avanço do Capital sobre nossas vidas, corpos e territórios.

Nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro, a cúpula do G20 se reunirá na América do Sul, onde os Chefes de Estado dos países e organizações discutirão questões de enorme importância, incluindo a situação da economia mundial, o futuro das relações trabalhistas, da alimentação e infra-estrutura. Já conhecemos suas medidas para determinar novas formas de exploração sobre nossos povos, por isto, manifestamos repudio à realização da reunião do G20, que vem para reafirmar o brutal retrocesso levado a cabo pelo governo de Maurício Macri na Argentina e que pretende se estender a toda a região e ao mundo.

Por isso atendemos ao Chamado Internacional à mobilização da Confluência Fora G20-FMI e da Jornada Continental pela democracia e contra o neoliberalismo para o engajamento em uma semana de ações, especialmente, no dia 30 de novembro contra o G20 e o FMI. Nesta data, realizaremos um Ato Público em São Paulo, às 17h, na Embaixada da Argentina.

Por um mundo sem o domínio do corporativismo transnacional e seu modelo de liberalização do comércio e da dívida. Pela livre circulação das pessoas, das trabalhadoras e dos trabalhadores, direito a migrar, a não migrar, a permanecer ou a retornar dignamente. Pelo respeito aos direitos dos povos e da natureza e a possibilidade de construir alternativas democráticas com base na nossa soberania e integração como povos *fazemos um chamado às organizações e a militância social brasileira a mobilizarem-se nessa data nas ruas realizando atos, debates, aulas públicas e quaisquer atividades públicas e também nas redes dando força e visibilidade ao caráter internacional da nossa luta de resistência por soberania, democracia e pelos direitos do povo contra a ofensiva neoliberal.

Também nos somamos ao calendário de lutas das centrais sindicais que apontam o dia 22 de novembro, como uma data de mobilização nacional em defesa da previdência pública e indicam o dia 26 de novembro para a realização de atos pela permanência do Ministério do Trabalho. Essas ameaças que se agora se reapresentam através do governo eleito estão em estreita sintonia com a ofensiva neoliberal em nosso continente que busca privatizar nossos direitos, como o direito à aposentadoria, e atua em favor de um Estado mínimo para o povo, minando sua capacidade de ação na promoção e garantia de direitos sociais e trabalhistas, ao mesmo tempo em que renova compromissos de entrega do patrimônio e do orçamento público ao capital financeiro nacional e internacional.

Venceremos!

Coletivo Vigência
CSP – Conlutas
Frente Brasil Popular
Frente Povo Sem Medo
Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo”

E abaixo veja mais fotos das manifestações em Buenos Aires:

Image may contain: 6 people, outdoor
foto: Amigos de la Tierra Argentina
foto: Amigos de la Tierra Argentina
foto: Amigos de la Tierra Argentina
ELLAN LUSTOSA/CODIGO19/FOLHAPRES
foto: Ellan Lustosa/Codigo19/Folhapress
foto: Ivan Alvarado/Reuters

Em um protesto na Argentina, integrantes de movimentos populares se manifestam contra a Cúpula: "não ao G20". - Créditos: Noticias Argentinas

“O esquema de segurança na capital incluirá 22 mil oficiais argentinos e mais 2.000 agentes de segurança das autoridades internacionais nas ruas. O governo argentino gastou US$ 4 milhões (cerca de R$ 15,5 milhões) para comprar novos armamentos. Também haverá furgões e motocicletas vigiando a cidade. No porto de Buenos Aires, barcos monitorarão todo o movimento da região. Os Estados Unidos emprestaram aviões, enquanto a Itália e o Canadá cederam helicópteros para a segurança aérea do evento. A China, por sua vez, doou aos argentinos quatro tanques blindados. ‘Será um operativo potente, forte e adequado’, disse Bullrich a jornalistas. O espaço aéreo será fechado durante a chegada de algumas das autoridades e está dada a ordem de derrubar aeronaves que violem as regras”, diz matéria da Folha de S.Paulo. Parece bastante claro: o povo não era convidado: pelo contrário, devia ser expulso e impedido de qualquer manifestação democrática.

Buenos Aires é blindada para o G20
foto: Marcos Brindicci/Reuters
Pessoas olham para esquema de segurança em Buenos Aires, Argentina, por conta do encontro do G20
foto: Agustin Marcarian/Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *