Desinformação sobre violações da Fraport também atinge autoridades alemãs

Em encontro organizado pelo Ministério das Relações Exteriores da Alemanha na semana passada, caso da Vila Nazaré, que sofre graves ameaças da Fraport devido às obras do Aeroporto Salgado Filho, era ainda desconhecido pelas autoridades. Estavam presentes membros de fundações, organizações e do parlamento alemão, além do ministro da Justiça da Alemanha.

Articulação entre Amigos da Terra Brasil e Amigos da Terra Alemanha, que somou esforços de diversas organizações em ambos os países, como a KoBra (Kooperation Brasilien), permitiu que assunto viesse à tona no encontro, o que surpreendeu as autoridades alemãs. Após, foram enviados os materiais produzidos pela Amovin (Associação dos Moradores da Vila Nazaré), MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Amigos da Terra Brasil e Coletivo Catarse que abordam as constantes ameaças, violências e desinformações que sofrem as famílias da Vila Nazaré. As obras do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, pretende varrer a comunidade do mapa, expulsando-a ainda mais para as bordas da cidade, afastada de serviços públicos básicos, como escolas e hospitais – esquecida.

A embaixada alemã vai se comunicar com o consulado em Porto Alegre para se atualizar e agir a respeito da situação. Hoje (23/5) ocorre uma audiência pública que debaterá o tema, às 18h no auditório da Escola Estadual de Ensino Fundamental Ana Nery. Aqui a descrição do evento no Facebook:

AUDIÊNCIA PÚBLICA – remoção das famílias da Vila Nazaré

23/5 – 4ª feira – auditório da Escola Estadual de Ensino Fundamental Ana Nery (Rua Joaquim Silveira, 738, Bairro São Sebastião, Porto Alegre)

Será discutida nessa quarta-feira (23/5) a situação das famílias da Vila Nazaré, ameaçadas de remoção devido às obras de expansão do aeroporto Salgado Filho. A prefeitura e a empresa responsável pelo aeroporto, a alemã Fraport, são omissas em relação à rotina de violência e ameaças que vivem as pessoas da Nazaré. Não há nenhuma transparência sobre os planos de realocação das famílias e nenhum estudo comprovando a necessidade de retirada da vila foi apresentado até agora. Contra isso tudo, a Nazaré se une na luta pelos seus direitos! Vamos todas e todos amplificar esse grito! 

VÍDEO: Nazaré Unida na Luta II – As incertezas dos moradores

Entre as famílias que querem sair da vila e as que querem ficar na comunidade, apenas um sentimento: incertezas.

Incertezas que afetam o cotidiano e as perspectivas de uma vida melhor para os moradores da Nazaré e de outras comunidades de baixa renda de Porto Alegre. Comunidades que tem que lidar com o racismo institucional do poder público e das multinacionais. No caso da Zona Norte da cidade, região vizinha do Aeroporto Internacional Salgado Filho, multinacionais como a Fraport.

“Nós queremos uma coisa concreta. Para onde vai? Quem vai sair? E o que vai ser feito para quem quer ficar?”

“A audiência é pra dizer alguma coisa pra gente porque até agora ninguém sabe nada.” (Referente a audiência deste dia 09-03-18 às 15h no Ministério Publico do RS)

Assista ao vídeo:

 

Assista ao Capítulo I da série:
http://bit.ly/NazaréUnidaNaLuta1

VÍDEO: Vila Nazaré unida na luta – Resistência à remoção e à ação da Prefeitura e da Fraport

 

 

 

 

 

 

Sob a justificativa das obras de expansão da pista do aeroporto Salgado Filho, as famílias da Vila Nazaré, zona norte de Porto Alegre e vizinha ao aeroporto, estão sendo ameaças de perderem suas casas. Sem negociação, a prefeitura quer dividir a comunidade que há cerca de 50 anos ali se estabeleceu, mandando parte das famílias para apartamentos do Minha Casa, Minha Vida no bairro Sarandi, onde hoje está a Ocupação Senhor do Bom Fim, e outra parte para o bairro Mário Quintana, próximo ao Loteamento Timbaúva. A decisão não agrada os moradores: não querem ser empurrados para mais longe, tendo arrancadas suas raízes de uma comunidade onde se sentem seguros. Também não querem se separar da vizinhança com quem cresceram e criaram laços. Ali, à beira da Avenida Sertório, as crianças estão matriculadas em escolas da região e há hospitais próximos. Faz-se tudo a pé. Jogadas para outra parte da cidade, desconhecida, preocupa o acesso a estes serviços básicos.

Para pressionar as pessoas a abandonar o local, a prefeitura corta os investimentos na Nazaré: não há nenhum cuidado com as ruas de terra ou com o saneamento do esgoto, que transborda em dias de chuva. Além disso, o posto de saúde que funcionava dentro da comunidade foi desativado. Tudo em nome do interesse da empresa alemã Fraport, que desde 2016 ganhou a concessão para operar o Salgado Filho e tem pressa em ampliar sua pista. Assim, moradoras e moradores se organizam para resistir a uma remoção imposta e não negociada. Pedem serviços no lugar da expulsão. Expulsão que, aliás, será feita por uma empresa privada “reconhecida pela agilidade e técnica que consegue impor ao processo expropriatório”, a Itazi Engenharia. Tamanha agilidade e técnica, porém, parece sempre esquecer que, antes do aeroporto, há a comunidade – se não em termos temporais, certamente em termos de prioridade.

 

Gente, pessoas, famílias: seus sonhos e vozes sempre virão primeiro.

Em defesa de seu território e de sua história, a Nazaré resiste.

Charge de Carlos Latuff cedida aos moradores da Nazaré.

Assista ao vídeo: