Solidariedade irrestrita à Cozinha Solidária do MTST: NÃO ao despejo!

Quem tem fome, tem pressa

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) de Porto Alegre ocupou um imóvel abandonado da União no bairro Azenha no último dia 26 de setembro. O espaço, que acumulava lixo e insegurança para toda a comunidade local, rapidamente foi convertido naquilo que todo o país mais precisa neste momento: instrumentos sociais de combate à fome. Foi criada no local uma Cozinha Solidária dedicada a servir refeições para todas as pessoas que foram vulnerabilizadas pelas práticas de gestão do país.

Nesses poucos dias de funcionamento, a Cozinha já serviu centenas de refeições. O imóvel que estava, há décadas, em estado deplorável e sem cumprir sua função social, apenas aguardando o momento para servir aos conchavos da especulação imobiliária porto-alegrense, agora se tornou um reduto de combate à fome, à carestia e à pandemia neoliberal que se disseminou pelo país no governo Temer-Bolsonaro-Guedes.

O Estado brasileiro é omisso e ineficiente quando se trata de garantir a dignidade e os direitos da população mais empobrecida do país, mas é um Estado implacável para defender com unhas e dentes todas as formas de espoliação. É essa vocação autoritária e antidemocrática que movimentou o Estado contra a Cozinha Solidária. A União reivindicou a posse do imóvel, e mesmo na contramão do parecer do Ministério Público Federal (MPF), o Poder Judiciário gaúcho estabeleceu, na terça-feira (5/10), um prazo de apenas 48h para a reintegração de posse. Mas isso não pode acontecer, sob pena de abandonar centenas de pessoas de novo na condição mais indigna que pode acometer um ser humano: a fome.

Pelo cumprimento da função social, pela solidariedade e pelo combate a todas as indignidades que assolam nosso país, conclamamos que a sociedade se una em defesa da Cozinha Solidária do MTST.

Amigos da Terra Brasil 

Marco temporal no es una tesis: es rodeo jurídico ruralista. El Supremo Tribunal tiene que enterrarlo

Contrario a los derechos de los pueblos originarios de esas tierras que hoy llamamos Brasil, el agronegocio actúa única y exclusivamente por la ambición del lucro. Motivada por dinero, la bancada ruralista sigue presionando para transformar el país en una grande granja exportadora de soja y ganado. 

La semana pasada, el diputado federal Neri Geller (PP-MT), vicepresidente del Frente Parlamentar de Agricultura y Ganadería (FPA), dejó claro que la bancada ruralista estaba trabajando para lograr la postergación de la sesión de votación del Marco Temporal por el Supremo Tribunal Federal (STF), como de hecho ocurrió el último jueves (26), que fue transferida para este miércoles (1). 

En un video, Geller habla de una agenda para tratar del tema antes de la votación con el presidente del STF, Luiz Fux, pero la agenda oficial del ministro no indica este posible encuentro. “Nosotros, la dirección de FPA, pedimos una agenda para intentar hablar con Fux pronto, hasta las cuatro horas, antes que ese asunto vaya a la Plenaria”, afirmó. 

Se trata de una maniobra para ganar tiempo y lograr que el presidente de la Cámara, el ganadero Arthur Lira (PP-AL), coloque en la agenda de la casa el PL 490/07. El PL modifica la Constitución, volviendo legal la propuesta del Marco Temporal. Según ese rodeo jurídico inconstitucional, los indígenas solo tendrían derecho a la demarcación de las tierras que estuviesen en su posesión el día 5 de octubre de 1988, fecha de la promulgación de la Constitución, contraponiéndose a la tesis del indigenato, vigente hoy, en que los derechos indígenas son originarios, por lo tanto, anteriores a la invasión europea y la creación del propio Estado. El PL 490 ya fue aprobado el 23 de junio por la Comisión de Constitución, Justicia y Ciudadanía (CCJ) de la Cámara, en un día marcado por la fuerte represión a los indígenas, quienes se manifestaban contra la votación en Brasília. 

El STF no puede ceder a las presiones del agronegocio y tiene la obligación de pautar y reconocer de forma inmediata la inconstitucionalidad de la farsa del marco temporal, como varios juristas han apuntado. La indefinición sobre el tema solo aumenta la tensión y los ataques contra pueblos indígenas en todo el país.  

La votación del #MarcoTemporalNo por el STF es la principal agenda del país en las últimas semanas. El momento es histórico, aunque las portadas de los grandes periódicos del país hagan parecer lo contrario. Eso porque la votación del Marco Temporal sobre la Tierra Indígena (TI) Ibirama-Laklãnõ, donde viven los pueblos Xokleng, Guaraní y Kaingang en Santa Catarina, representa una decisión de “repercusión general”, o sea, lo que sea decidido tendrá consecuencias para todos los pueblos indígenas de Brasil en procesos demarcatorios en todas las instancias de la Justicia. Más de 6 mil indígenas de 176 pueblos estuvieron durante toda la semana pasada en Brasília aguardando la votación de la farsa ruralista. La postergación de esa votación tiene un carácter desmovilizador, pero no para quien lucha por sus derechos de vivir sobre esas tierras con sus modos de vida hace más de 521 años. Un tercio del campamiento Lucha por la Vida sigue en Brasília, aguardando el juzgamiento y el comienzo de la Marcha de las Mujeres Indígenas la próxima semana. 

Mientras la bancada ruralista de #FueraBolsonaro intenta desmovilizar la lucha indígena, los datos comprueban: quien preserva nuestros biomas, la biodiversidad y la vida son los pueblos originarios. Es lo que indica un estudio hecho por MapBiomas con base en imágenes de satélite y en inteligencia artificial. El estudio muestra que, entre 1985 e 2020, las áreas más preservadas de Brasil fueron las tierras indígenas – tanto las ya demarcadas como las que todavía esperan por demarcación, con pérdida de floresta de solamente 1,6% en el período de 35 años. 

El mismo Bolsonaro aún tuvo el atrevimiento de decir que el rechazo a la farsa del marco temporal generaría falta de alimentos en Brasil, ¡porque afectaría el agronegocio! Al contrario de la argumentación insostenible de Bolsonaro, el agronegocio no para de crecer y lucrar bajo su gobierno, incluso rompiendo récords, y eso pasa mientras ¡más de 19 millones de personas en nuestro país volvieron a tener hambre! Medidas que favorecen exclusivamente el agronegocio, como el marco temporal, son las que provocan la miseria en el país, ¡no el respeto a los derechos de los pueblos originarios! 

Por eso, es necesario continuar denunciando el juego corrupto, que no respeta las instituciones ni la propia Constitución, que atropella las normas y que actúa bajo la peor lógica antidemocrática lobista. El STF no puede curvarse a las maniobras que visan el lucro por encima de la vida y de los bienes comunes, y dejar que o Congreso apruebe el PL 490, para solamente en el futuro volver a declarar la inconstitucionalidad del marco temporal. ¡Hay que eliminar la maniobra ahora! 

En defensa de los derechos y luchas de los pueblos indígenas:  #MarcoTemporalNo #PL490No #DemarcaciónoYa 

Foto: Alass Derivas | @derivajornalismo

Marco temporal (time frame) is not a thesis: it is ruralist legal nonsense. The Supreme Court must bury it

Against the rights of the original peoples from these lands which we now call Brazil, agribusiness acts solely and exclusively out of greed for profit. Moved by money, the ruralist bench keeps pressuring to turn the country into a great farm exporting soy and cattle.  

Last week MP Neri Geller (PP-MT), vice-president of the Agribusiness Parliamentary Front (FPA) made it clear that the ruralist bench had been working to postpone the voting session of Marco Temporal by the Federal Supreme Court (STF), as it indeed happened last Thursday (26th), which was postponed to this Wednesday (1st).  

In a video, Geller speaks about an agenda to tackle the issue before voting with the president of STF, Luiz Fux, but the official agenda of the minister does not indicate that possible meeting. “We, the direction board of FPA, request a schedule to try to speak with Fux soon, until 4 p.m., before this issue goes to the general session”, said he.  

It is nothing but a manoeuvre to buy time and get the president of the House, agribusinessman Arthur Lira (PP-AL) to insert PL 490/07 into the house’s agenda. The PL (law project) modifies the constitution, making the proposal of Marco Temporal legal. According to that unconstitutional legal nonsense, indigenous people would only have the right to demarcation of the lands which were in their possessions on October 5th, 1988, date of validation of the Constitution, against the indigenous thesis in force today in which the indigenous rights are original, therefore previous to the European invasion and the very creation of the State. PL 490 was approved on June 23rd by the Constitution, Justice and Citizenship Committee (CCJ) of the House, on a day marked by strong repression to indigenous people who manifested against the voting in Brasilia.  

STF cannot give in to the pressure of agribusiness, and it must point out and recognise immediately that the marco temporal is unconstitutional, as various jurists have been stating. Undefinition on the subject increases the tension and the attacks against indigenous people all over the country.   

The voting of #NotoMarcoTemporal by STF has been the main agenda of the country in the last weeks. It is a historical moment, even if the covers of the big newspapers make it seem otherwise. That is because the voting of Marco Temporal on the Indigenous Land (TI) Ibirama-Laklãnõ, where the Xokleng, Guarani and Kaingang people live in Santa Catarina, represents a decision of “general repercussion”, i.e., whatever is decided will bring consequences to all the indigenous peoples of Brazil in demarcation suits in all legal instances. More than 6 thousand indigenous persons from 176 peoples were in Brasilia last week waiting for the voting of the ruralist farse. Postponing that voting has a demobilising character, but not to the ones who have been fighting for their right to live on those lands with their lifestyles for more than 521 years. One third of the Struggle for Life Camping is still in Brasília waiting for the judgement and the beginning of the March of Indigenous Women next week.  

While #OutBolsonaro‘s ruralist bench tries to demobilise the indigenous fight, the data prove: who preserves our biomes, biodiversity and life are the original peoples. That is what indicates a survey made by MapBiomas based on satellite images and artificial intelligence. The study shows that between 1985 and 2000, the best-preserved areas in Brazil were the indigenous lands – both the demarcated ones and the ones still waiting for demarcation, with forest loss of 1.6% in a period of 35 years.   

Bolsonaro himself had the nerve to say that the rejection to the farse of the marco temporal would generate lack of food in Brazil because it would affect agribusiness! Opposite to Bolsonaro’s unsustainable argument, agribusiness does not stop growing and making profit under his administration, even breaking records, and that happens when more than 19 million people in our country are hungry again! Measures which favour agribusiness exclusively like marco temporal are the ones who cause poverty in the country, not the respect to the rights of the original peoples!     

Therefore, we must continue denouncing the corrupted game which does not respect the institutions or the Constitution itself, which runs over the norms and acts with the worst lobbyist antidemocratic logic. STF cannot bow to the manoeuvres which aim profit above life and the common goods and let the Congress approve PL 490 and only later declare that the marco temporal is unconstitutional. The manoeuvre needs to be eliminated now!   

In defence of the rights and fights of the indigenous peoples: #NotoMarcotemporal #NotoPL490 #Demarcationnow  

Photo: Alass Derivas | @derivajornalismo

Marco temporal não é tese, é embromação jurídica de ruralista. O STF tem o dever de enterrá-la!

Contrário aos direitos dos povos originários dessas terras que hoje chamamos Brasil, o agronegócio atua única e exclusivamente pela sanha de lucro. Movida a cifrão, a bancada ruralista segue pressionando para transformar o país em uma grande fazenda exportadora de soja e boi.

Na última semana, o deputado federal Neri Geller (PP-MT), vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deixou claro que a bancada ruralista vinha trabalhando para conseguir o adiamento da sessão de votação do Marco Temporal pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como de fato ocorreu na última quinta-feira (26), que foi transferida para esta quarta-feira (1).

Em vídeo, Geller fala em uma agenda para tratar do tema antes da votação com o presidente do STF, Luiz Fux, mas a agenda oficial do ministro não indica este possível encontro. “Nós, a diretoria da FPA, pedimos uma agenda para tentar falar com o Fux daqui a pouco, até às quatro horas, antes desse assunto ir para o Pleno”, afirmou.

Trata-se de uma manobra para ganhar tempo e conseguir que o presidente da Câmara, o pecuarista Arthur Lira (PP-AL), coloque na pauta da casa o PL 490/07. O PL modifica a Constituição, tornando legal a proposta do Marco Temporal. Segundo essa embromação jurídica inconstitucional, os indígenas só teriam direito à demarcação das terras que estivessem em sua posse no dia 05 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição, se contrapondo à tese do indigenato, vigente hoje, em que os direitos indígenas são originários, portanto anteriores à invasão europeia e a criação do próprio Estado. O PL 490 já foi aprovado em 23 de junho pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, em um dia marcado pela forte repressão aos indígenas que se manifestavam contra a votação em Brasília.

O STF não pode ceder às pressões do agronegócio e tem a obrigação de pautar e reconhecer de forma imediata a inconstitucionalidade da farsa do marco temporal, como vários juristas têm apontado. A indefinição sobre o tema só faz aumentar a tensão e os ataques contra povos indígenas em todo o país.

A votação do #MarcoTemporalNão pelo STF é a principal pauta do país das últimas semanas. O momento é histórico, mesmo que as capas dos grandes jornais do país façam parecer o contrário. Isso porque a votação do Marco Temporal sobre a Terra Indígena (TI) Ibirama-Laklãnõ, onde vivem os povos Xokleng, Guarani e Kaingang em Santa Catarina, representa uma decisão de “repercussão geral”, ou seja, o que for decidido terá consequências para todos os povos indígenas do Brasil em processos demarcatórios em todas as instâncias da Justiça. Mais de 6 mil indígenas de 176 povos estiveram durante toda a semana passada em Brasília aguardando a votação da farsa ruralista, a remarcação dessa votação tem um caráter desmobilizante, mas não para quem luta por seus direitos de viver sobre essas terras com seus modos de vida há mais de 521 anos. Um terço do acampamento Luta pela Vida segue em Brasília, aguardando o julgamento e o início da Marcha das Mulheres Indígenas na próxima semana.

Enquanto a bancada ruralista de #ForaBolsonaro tenta desmobilizar a luta indígena, os dados comprovam: quem preserva nossos biomas, a biodiversidade e a vida são os povos originários. É o que indica um levantamento feito pela MapBiomas com base em imagens de satélite e em inteligência artificial. O estudo mostra que, entre 1985 e 2020, as áreas mais preservadas do Brasil foram as terras indígenas – tanto as já demarcadas quanto as que ainda esperam por demarcação, com perda de floresta de apenas 1,6% no período de 35 anos.

O próprio Bolsonaro ainda teve a desfaçatez de dizer que a rejeição à farsa do marco temporal, geraria falta de alimentos no Brasil, porque afetaria o agronegócio! Ao contrário da argumentação insustentável de Bolsonaro, o agronegócio não para de crescer e lucrar sob seu governo, inclusive batendo recordes, e isso acontece enquanto mais de 19 milhões de pessoas no nosso país voltaram a passar fome! Medidas que favorecem exclusivamente o agronegócio, como o marco temporal, são as que provocam a miséria no país, não o respeito aos direitos dos povos originários!

Por isso, é preciso continuar denunciando o jogo corrupto, que não respeita as instituições nem a própria Constituição, que atropela as normas e que age sob a pior lógica antidemocrática lobista. O STF não pode se curvar às manobras que visam o lucro acima da vida e dos bens comuns, e deixar que o Congresso aprove o PL 490, para somente no futuro voltar declarar a inconstitucionalidade do marco temporal. A manobra precisa ser eliminada agora!

Em defesa dos direitos e lutas dos povos indígenas:  #MarcoTemporalNão #PL490Não #DemarcaçãoJá

Liberdade para Paulo Galo e Géssica já!

Em mais um ato insólito da Justiça brasileira, o militante pelos direitos dos trabalhadores de entrega precarizados, Paulo Galo, e sua companheira, Géssica, foram presos arbitrariamente ao comparecer de forma voluntária à 11ª Delegacia de Polícia de Santo Amaro (SP) para depor sobre o ato contra a estátua em homenagem ao escravagista Borba Gato em São Paulo. 

Galo e Danilo da Silva Oliveira, o Biu (que foi liberado no mesmo dia), compareceram para contribuir com as investigações. As prisões não possuem nenhuma justificativa, ainda menos no caso de Géssica, que apenas foi em apoio a seu companheiro. Duas crianças estão sem seus responsáveis por uma decisão política da Justiça.

“Em nenhum momento aquele ato foi feito para machucar alguém ou causar pânico na sociedade. Aquele ato foi feito para poder abrir um debate, e o debate foi aberto. As pessoas agora podem decidir se elas querem uma estátua de 13m de altura que homenageia um genocida e um abusador de mulheres”, disse Galo ao chegar à delegacia na última quarta-feira (28/07).

O Estado brasileiro está a cada dia mais a serviço da perseguição política de militantes populares de opositores ao governo de Jair Bolsonaro. O militante Rodrigo Pilha, que recentemente teve progressão da pena para o regime aberto, ficou preso mais de 4 meses após participar de um ato contra o presidente Jair Bolsonaro e seu papel durante a pandemia. Ainda neste mês, uma mulher foi presa pela Brigada Militar por bater panela em protesto durante o passeio de moto de Bolsonaro na cidade de Porto Alegre (RS). “Passeio” que inclusive deveria ser julgado pela Justiça pelo que é: uma campanha eleitoral antecipada. 

O Bolsonarismo, cada vez mais acuado pela queda de popularidade, parte pra cima dos militantes populares. Não podemos permitir o aparelhamento do poder judiciário para fins políticos! Expressamos nosso repúdio a mais estas prisões arbitrárias!

Liberdade para Galo e Gessica já!

Amigos da Terra Brasil (ATBr)
Julho de 2021

Amigos da Terra Brasil eleita para a coordenação internacional da federação global de Amigos da Terra

Nesse 2 de Julho de 2021, encerrou-se a Assembleia Geral Bi-anual da federação Amigos da Terra Internacional, que conta com grupos nacionais em 73 países, com resultados de repercussão para o Brasil.

Relatou-se sobre o avanço da unidade política dos membros da Amigos da Terra na luta contra o fascismo, resultado da moção apresentada por AT Brasil na BGM de 2018 na Nigéria e aprovou-se, nesse ano em que a federação completou 50 anos de existência, uma resolução em apoio à articulação das lutas indígenas no Brasil pela demarcação já e pelo #ForaBolsonaro;  

“Nós saudamos a mobilização histórica e sem precedentes dos povos indígenas do Brasil, os quais reuniram 1200 guerreiros, entre eles mulheres, homens e crianças em junho em Brasília-DF, no acampamento Levante pela Terra, defendendo territórios, natureza, vida, contra o governo facista e ultra neoliberal que está desmantelando as políticas sociais de saúde, educação, ambientais e de direitos humanos e negando direitos constitucionais e consuetudinários dos povos indígenas e tradicionais, em benefício do capital financeiro e dos interesses do agronegócio e das indústrias extrativas”. 

A Amigos da Terra Internacional declara, por meio da resolução aprovada pela BGM 2021, sua solidariedade e preocupação veemente com a questão indígena no Brasil, assim como com as últimas aprovações do Congresso Nacional brasileiro:

“Nós recebemos em solidariedade o chamado internacional da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) pela mobilização indígena  que terá continuidade de Agosto em diante, contra a aprovação do Projeto Lei PL490, pelo julgamento do caso Xokleng/SC estabelecido no Supremo Tribunal Federal (STF), e pela implementação efetiva da convenção ILO 169, com o objetivo de garantir os direitos dos indígenas à terra e a auto-determinação, proibição de exploração econômica de suas terras e o reconhecimento que sua presença e luta por seu próprio território é legítima desde antes da colonização do Brasil”. 

Lucia Ortiz, atual presidenta da Amigos da Terra Brasil e nova representação lationamericana nos próximos 2 anos.

A ATBrasil foi indicada, eleita e acolhida como novo membro dirigente do Comitê Executivo Internacional. A representação lationamenricana passa a ser representada nos próximos 2 anos pela atual presidenta da ATBrasil, Lucia Ortiz e por Silvia Quiroa, coordenadora de CESTA – AT El Salvador. 

“Apresento a minha candidatura ao Comitê Executivo(ExCom) […] devo minha formação política e muito do meu desenvolvimento pessoal Amigos da Terra Internacional (ATI), por todo o trabalho com comunidades, alianças e articulação entre movimentos populares e setores sociais durante os processos de luta do local para o global, e de volta. A partir desta prática que realizamos na federação, estou profundamente comprometida com a visão internacionalista, solidária e de classe que construímos todos os dias na perspectiva da justiça ambiental, social, econômica e de gênero e contra todas as formas de opressão e exploração.[…] Acredito que as lutas acumuladas que temos na região e no Brasil – contra as ditaduras, o racismo, as corporações transnacionais, o patriarcado, a agenda comercial neoliberal, os golpes de Estado e agora contra o facismo genocida – exigem que coloquemos nossas forças em ação de solidariedade internacionalista, porque só juntes mudaremos o sistema.”, diz Lúcia em seu discurso de candidatura que a levou à ocupação do cargo na coordenação política da Federação. Ainda, nossa companheira e membro do conselho diretor da Amigos da Terra Brasil, Letícia  Paranhos, foi referendada e teve seu mandato político como co-coordenadora do programa internacional de Justiça Econômica e Resistência ao Neoliberalismo (JERN) respaldado pela assembleia de membros.

Letícia  Paranhos, integrante da Amigos da Terra Brasil e do Conselho Diretor da entidade, teve seu mandato político como co-coordenadora do programa internacional de Justiça Econômica e Resistência ao Neoliberalismo (JERN) respaldado pela assembleia de membros.

Ao completar 50 anos de existência, a federação realizou sua primeira assembleia de forma virtual desde que iniciou suas atividades em 1971, com a participação de delegados das organizações-membro nacionais dos 4 continentes e das estruturas: ExCom, Secretariado Internacional, Coordenadores/as de programas, representantes das estruturas de governança regionais e das alianças estratégicas internacionais: da marcha Mundial das Mulheres e da Via Campesina. O Diretor Executivo do Centro de Justiça Ambiental do Sri Lanka Hemantha Withanage foi eleito como novo presidente de ATI: “Tenho a honra de ter sido eleito presidente da maior organização de justiça ambiental de base do mundo que, há 50 anos, lidera a luta contra os poluidores e exploradores de recursos naturais por um futuro justo e equitativo. Minha prioridade para os próximos dois anos é fortalecer os grupos membros e o trabalho da Amigos da Terra Internacional com as comunidades ao redor do mundo que lutam por uma sociedade justa, alinhada com nossa visão e missão”, diz. Ele entra no lugar que Karin Nansen, de REDES Amigos da Terra Uruguai, ocupou nos últimos quatro anos. “Se quisermos realmente transformar nossas sociedades, precisamos urgentemente desmantelar todas as opressões sistêmicas -classe, racismo, patriarcado, heteronormatividade, colonialismo- que restringem nossos direitos e nos impedem de ser atores políticos. Nosso potencial de contribuir como Amigos da Terra Internacional junto com seus grupos membros e aliados internacionais é enorme”, disse Nansen em seu discurso de despedida.

A Amigos da Terra sai fortalecida com a aprovação e benvinda a 3 novos membros nacionais: UDAPT – união dos povos indígenas e campesinos da amazônia equatoriana em luta histórica contra os crimes ambiental da Chevron-Texaco e por um Tratado Vinculante que regulamente as empresas transnacionais em matéria de Direitos Humanos; Amigos da Terra Índia, uma coalizão nacional com 57 grupos, articulando movimentos sociais – indígenas, pescadores, camponeses – e organizações que trabalham em várias questões ambientais numa perspectiva de justiça com base nas lutas dos movimentos populares – mudança climática, agricultura industrial e apropriação da terra, consumo insustentável de água e energia, particularmente nas cidades, direitos fundiários, florestais e costeiros, soberania alimentar e direitos humanos; e o Centro EDEN, da Albânia, uma organização de jovens profissionais atuando contra projetos de barragens e por políticas públicas pelo meio ambiente no seu país e região através de ações de informação e educação. 

É um momento histórico para para Amigos da Terra Brasil, que foi um dos primeiros membros do Sul Global a ingressar na federação na década de 80 e fez parte da sua coordenação nos anos 90 através da representação da ecologista pioneira Magda Renner, e também desafiador face às crises multidimensionais do sistema capitalista mundial, ao que corresponde celebrar com o crescimento e fortalecimento de Amigos da Terra como um movimento, ao mesmo tempo global e de base, com raízes onde se dão as lutas dos povos pela justiça ambiental no mundo todo.