Liberdade para Paulo Galo e Géssica já!

Em mais um ato insólito da Justiça brasileira, o militante pelos direitos dos trabalhadores de entrega precarizados, Paulo Galo, e sua companheira, Géssica, foram presos arbitrariamente ao comparecer de forma voluntária à 11ª Delegacia de Polícia de Santo Amaro (SP) para depor sobre o ato contra a estátua em homenagem ao escravagista Borba Gato em São Paulo. 

Galo e Danilo da Silva Oliveira, o Biu (que foi liberado no mesmo dia), compareceram para contribuir com as investigações. As prisões não possuem nenhuma justificativa, ainda menos no caso de Géssica, que apenas foi em apoio a seu companheiro. Duas crianças estão sem seus responsáveis por uma decisão política da Justiça.

“Em nenhum momento aquele ato foi feito para machucar alguém ou causar pânico na sociedade. Aquele ato foi feito para poder abrir um debate, e o debate foi aberto. As pessoas agora podem decidir se elas querem uma estátua de 13m de altura que homenageia um genocida e um abusador de mulheres”, disse Galo ao chegar à delegacia na última quarta-feira (28/07).

O Estado brasileiro está a cada dia mais a serviço da perseguição política de militantes populares de opositores ao governo de Jair Bolsonaro. O militante Rodrigo Pilha, que recentemente teve progressão da pena para o regime aberto, ficou preso mais de 4 meses após participar de um ato contra o presidente Jair Bolsonaro e seu papel durante a pandemia. Ainda neste mês, uma mulher foi presa pela Brigada Militar por bater panela em protesto durante o passeio de moto de Bolsonaro na cidade de Porto Alegre (RS). “Passeio” que inclusive deveria ser julgado pela Justiça pelo que é: uma campanha eleitoral antecipada. 

O Bolsonarismo, cada vez mais acuado pela queda de popularidade, parte pra cima dos militantes populares. Não podemos permitir o aparelhamento do poder judiciário para fins políticos! Expressamos nosso repúdio a mais estas prisões arbitrárias!

Liberdade para Galo e Gessica já!

Amigos da Terra Brasil (ATBr)
Julho de 2021

2 respostas para “Liberdade para Paulo Galo e Géssica já!”

  1. Apesar de sabermos que o Bolsonarismo é o que sabemos, o lixo do fascismo, é necessário um esclarecimento para evitarmos desinformação: a prisão efetuada aconteceu por parte da polícia de São Paulo a partir de iniciativas do prefeito da cidade e do governador.
    Os bolsonaristas chegaram a propor o enquadramento deles na Lei de Segurança Nacional como terroristas mas a polícia local se antecipou e a prisão tomou o rumo criminal de dano ao patrimônio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *